9 de out de 2017

Se aconselhar com um especialista pode ajudar você a evitar processos em seu restaurante, reduzindo riscos, e tornando seu negócio mais seguro para clientes e funcionários. Ao passo que você se protege contra processos, você também estará reduzindo o risco de falhas em seu restaurante e tornando-o mais eficiente. Mas, se você acredita que ainda não precisa de um especialista para tomar algumas precauções sensíveis, aqui você conhece alguns dos processos mais comuns em restaurantes e como evita-los.

Em um estudo feito por oito anos pela Universidade da Califórnia levando em consideração a cidade de Los Angeles, foram reportadas 135 lesões no local de trabalho, e esse não é um número muito elevado quando você considera o número de funcionários dentro e fora dos restaurantes e o número de horas na folha de pagamento. Mas, os incidentes incluem 18% de queimaduras, 11% de quedas, 8% de amputações e 6% de exposição química. Por outro lado, 11 quedas foram fatalidades, e as amputações não são tão comuns em outros campos de serviço.

Qualquer restaurante se beneficiará das sugestões de prevenção de perda oferecidas por um profissional especializado em segurança no trabalho. Não podemos esquecer também que entre os processos mais comuns em restaurantes ainda temos à redução de riscos decorrentes da questão dos Recursos Humanos, como discriminação e estresses no local de trabalho, além de outras questões trabalhistas. Os processos mais comuns em restaurantes e como evita-los você confere a seguir:

  1. Alergias

Pessoas com alergias alimentares graves – para glúten, ovos, nozes, produtos lácteos, trigo e assim por diante – tem ganhado cada vez mais destaque em todo o mundo, e hoje em dia há muito mais esse senso de preocupação com questões alérgicas, justamente na busca de tentar evitar acidentes e processos.

Com algumas reações alérgicas podendo ser fatais, as preocupações dos clientes são muito reais, e a capacidade do restaurante de atender às suas necessidades específicas pode ser outra questão que uma boa comunicação pode resolver melhorando a conexão restaurante-cliente.

Portanto, o que deve ser feito nesse caso é especificar todos os ingredientes utilizados na cozinha, ou ainda colocar algum aviso em certos pratos, alertando alérgicos. Dessa forma o restaurante protege seu cliente ao avisá-lo dos riscos, e ainda se protege ao evitar algum acidente e um possível processo. Revise seus menus, procure pelas alergias mais comuns, esteja atento a todos os ingredientes utilizados em suas receitas, esteja pronto para a preparação de alimentos com alternativas não alérgicas, e proteja seu negócio e os seus clientes. Essa é uma ação barata e que pode trazer muitos benefícios futuros.

  1. Procure fornecedores confiáveis

Um restaurante deve controlar tudo o que entra em sua cozinha e tudo o que é servido, por isso, é necessário foco em um processo completo e irrevogável na aquisição e preparação de alimentos. Procure sempre por fornecedores confiáveis, principalmente em relação a carnes, ovos e frutos do mar. Muitas vezes tudo está certo com a sua cozinha, mas o produto vindo do seu fornecedor não está atendendo os padrões de qualidade, e isso precisa ser corrigido para evitar o risco de intoxicações alimentares, por exemplo.

  1. Recebendo e armazenando produtos

Sempre oriente seu gerente a preparar listas de verificação e procedimentos eficazes para o recebimento e tratamento de alimentos de forma segura como parte do plano de negócios do seu restaurante. Receber produtos e outros materiais através de um processo confiável de listas de verificação disponíveis para auditoria e revisão é a melhor maneira de fazer isso.

Algumas dicas aqui são receber entregas somente quando puder prestar atenção em todos os procedimentos, verificar as temperaturas e quaisquer sinais de descongelamento, armazenar alimentos imediatamente em áreas preparadas e dedicadas, evitando a contaminação cruzada, entre outros. Recuse qualquer item que não atenda aos requisitos, mais uma vez evitando riscos de intoxicações alimentares ou problemas com a vigilância sanitária.

  1. Saneamento

O equipamento de cozinha e os processos de cozimento devem seguir diretrizes de saneamento para prevenir contaminantes transmitidos por alimentos. A contaminação cruzada transfere bactérias nocivas de um alimento para outro – através das mãos, utensílios ou superfície. Desmonte fatiadores, liquidificadores, misturadores e utensílios. Mantenha todas as peças, utensílios de cozinha, equipamentos e tábuas de corte com higienizadores recomendados como sabão e água quente. Lave frutas e limpe legumes separadamente. Lave, enxague e desinfete superfícies e bancadas constantemente. Evite o risco de contaminações e problemas com intoxicações alimentares.

  1. Higiene

A limpeza pessoal é outra parte importante em um restaurante, uma vez que seus cozinheiros e outros funcionários devem tomar todos os cuidados no manuseio dos alimentos e também no atendimento aos clientes, evitando processos por contaminações e intoxicações alimentares. Nesses casos, os uniformes devem ser limpos regularmente de acordo com o processo destinado a limpeza de cada um, os aventais não devem ser utilizados ​​em banheiros ou em ambientes contaminantes, como perto de um lixo, utilizar sapatos com solas que resistem à transferência de contaminantes e que ainda protejam contra quedas e escorregões também evita possíveis processos de acidentes de trabalho, por exemplo.

Os funcionários deverão lavar as mãos com frequência, manter as unhas aparadas e limpas, cobrir os cabelos e trabalhar sem o uso de joias, evitar fumar, mascar chiclete e espirrar ou tossir sem proteção. O uso das luvas de plástico deve ser feito com a maior frequência possível, mas é importante trocar as luvas entre diferentes funções.

O serviço de alimentação é um dos setores da indústria de maior crescimento na economia, e o que precisa ser feito para garantir que seu negócio continue funcionando bem e para evitar problemas na justiça é investir em processos e em melhores práticas de negócios que tenham seu foco em segurança e treinamento.

Processos trabalhistas: hora extra, documentação, assédio

Os processos trabalhistas também são muito comuns em restaurantes, porém, se o empregador seguir todas as regras previstas na CLT (atentar-se as mudanças da reforma trabalhista), os processos podem ser evitados.

Ter toda a documentação dos seus funcionários em dia, fazer os depósitos no FGTS, seguir com as diretrizes da CLT é algo que deve ser feito para proteger tanto o funcionário quanto o empresário, evitando possíveis processos. Quanto as horas extras é importante manter o controle de ponto dos funcionários, uma vez que esse costuma ser um dos principais motivos de processos em restaurantes, visto que muitos deles funcionam em horário estendido.

As preocupações também devem ir para o campo do assédio, onde o empresário deve estar atento a tudo o que acontece em seu estabelecimento, prevenindo que funcionários tomem ações que possam prejudicar outros funcionários, evitando todo o tipo de assédio seja ele moral ou sexual, por exemplo.

Por fim, seja por algum líquido derramado no chão dos banheiros, alguma mancha perto da cozinha, ou sujeiras no chão jogadas pelo último cliente, restaurantes cheios correm o risco de um número aparentemente ilimitado de perigos – muitos dos quais podem significar processos judiciais apenas esperando para acontecer. Para evitar que clientes ou funcionários se machuquem ou que passem por algum momento indesejado em seu estabelecimento é preciso investir em processos e em segurança.

Por outro lado, é bom estar atento ao fato de que os clientes quando decidem por um processo relacionado a quedas ou intoxicações alimentares, devem provar que os funcionários do restaurante tiveram conhecimento real ou construtivo do perigo e que o cliente prejudicado não tinha o conhecimento do perigo. Dito de outra forma, para impor responsabilidade e danos ao proprietário do restaurante, a parte lesada deve demonstrar que o réu tinha “conhecimento superior” do perigo.

Assim, a melhor maneira de evitar acidentes ou para se defender de ações judiciais como resultado, é preciso investir em inspeções minuciosas a intervalos razoáveis, procurando sempre manter a qualidade dos produtos e a segurança do local como um todo.

Normalmente os restaurantes têm boas políticas escritas e até listas de verificação para inspeções regulares, mas surgem problemas na execução dessas políticas, muitas vezes dependentes de funcionários pouco eficientes, baixas remunerações a funcionários chave que realizam inspeções, desorganização, entre outros. Manter seus processos organizados, assim como as listas de verificação atualizadas pode ser crucial na hora de um processo judicial.

Para evitar processos os restaurantes devem ter políticas e práticas e listas de inspeção que devem ser cumpridas várias vezes ao dia, garantindo a segurança e qualidade dos alimentos. Outra questão importante, então, é em relação a como melhor preservar essas informações ao longo dos anos, uma vez que a rotatividade de funcionários é alta nesse tipo de negócio. A resposta para esse problema reside no uso efetivo de tecnologias digitais modernas que não só podem acompanhar as inspeções, mas preservar evidências que podem ser acessadas com facilidade em casos de processos.

Como diz o ditado, uma imagem vale mais do que mil palavras. As fotografias de inspeção marcadas com horário e câmeras de vigilância catalogadas em um formato facilmente acessível, usando tecnologia digital e móvel, são ferramentas poderosas em um restaurante ao defender um caso de queda, por exemplo, ou ao abordar reclamações de clientes. A capacidade de acessar fotografias e vídeos assinalados para provar que um perigo não esteve presente ou que os sinais de alerta apropriados estavam em vigor no momento da lesão podem desempenhar um papel importante na hora de evitar ou ganhar um processo.

Por fim, os restaurantes devem estar preparados para lidar com questões que podem levar a processos, e todo empresário deve saber que um restaurante não se trata apenas de boa comida, mas de um ótimo gerenciamento, principalmente quando estamos falando da segurança e bem-estar dos funcionários e clientes.